quinta-feira, 26 de setembro de 2013

DONS OU TÍTULOS ECLESIÁSTICOS?

O tema desta postagem talvez tenha soado estranho para você. No entanto, nosso objetivo é o esclarecimento de um texto bíblico que descreve capacitações espirituais delegadas, por Jesus Cristo, aos homens para aperfeiçoamento do corpo de Cristo.  Disse esclarecimento, em razão da confusão que tem se desdobrado ao decorrer dos séculos, na esfera da cristandade, no que diz respeito a sã doutrina dada para igreja.    
O texto em apreço é a carta de Paulo aos Efésios, precisamente, o capitulo 4: 10-14, que diz:

   “Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas. E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e mestre, Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente”

Esse é um dos trechos das escrituras que é utilizada por muitos para justificarem os títulos recebidos no âmbito religioso. Porem se lemos o capitulo desde o inicio perceberemos no versículo oito que não se trata de titulo e sim de dons espirituais.
Os dons descritos são: Profetas, apóstolos, evangelista, pastores e mestres.

Ponderemos sobre cada um dos dons acima mencionado para um correto entendimento da palavra de Deus.

Apóstolos: Na Bíblia, encontramos requisitos e condições para ser um apostolo. As quais são:      
  • Ter visto o Senhor  (I Co 9:1; 15:8)
  • Ter sido escolhido e enviado pelo próprio Jesus Cristo (Lc 6:13; Jo 6:70; At 9:15)
  • Ter sido testemunha ocular do ministério, terreno, de Jesus do batismo a ressurreição (At. 1:21,22)
  • Ter lançado o alicerce da Igreja do qual Cristo é a pedra angular (I Co 3:10; Ef 2:20)

Qualquer pessoa que não se enquadre dentro destes requisitos não é um apostolo é um impostou ( Ap 2:2; II Co 11:13-15; II Tm 3:13)

Profeta: em suma, podemos afirmar que profeta é a pessoa que fala por inspiração divina. Além dos vários profetas do Antigo Testamento há também os profetas do Novo Testamento. Aos profetas do N.T. foi revelado o ministério oculto em Deus, ou seja,  o mistério concernente  a Igreja. (ICo 2:6-13). Vale ressaltar que os apostolo eram, também, profetas. Mas nem todo profeta foi um apostolo (At 13:1; I Co 12:29).
Tudo que precisamos em matéria de doutrina, para a Igreja, já esta revelado nas escrituras Neotestamentárias, não havendo, portanto, necessidade de novas doutrinas.                                       Nestes termos, os dons de profeta e apostolo, foram dons em evidencia no inicio da igreja para porem o fundamento (Ef 2:20; I Co 3:10) uma vez posto o fundamento já não precisamos de novas revelações ou de modificações, a não ser se a Bíblia estivesse incompleta. O grande erro na historia da cristandade foi tentarem adicionar ideias humanas à forma simples do evangelho de Cristo (II Co 11:3). Portanto qualquer profecia nos dias de hoje deve ser no sentido de falar por Deus, ou seja, quando alguém estar ministrando a palavra de Deus, conforme tá nas escrituras, estar, portanto profetizando, mas ai é bem diferente da profecia dada aos apóstolos e profetas no inicio da igreja.

Evangelista: é comum nas denominações a consagração para o cargo de evangelista. Geralmente estas consagração na denominação se dar da seguinte forma: 1º são escolhido para diáconos depois presbíteros e só então após fazer um curso de teologia são escolhido por suas conversões para o cargo de evangelista. A partir daí ficam em uma espécie de fila aguardando um campo onde serão enviado e posteriormente consagrados a pastores. Nesta espera, muitas vezes acontece rixas, intrigas, traições e até divisões. Como se pode ver isso não tem nada em comum com o don de evangelista conforme as escrituras. O evangelista, conforme a escritura é um don e não um titulo. Sendo um don é algo que vem de Deus e não uma nomeação humana. Quem tem o don de evangelista tem também a fé e disposição de se empenhar na divulgação do evangelho sem se preocupar com o que há de comer, bebe ou vestir, e também não sai por ai exigindo salários, pois sabe que o dono da ceara não deixará faltar o necessário para sua sobrevivência.  E também nunca fica em uma sede denominacional esperando campo, pois o campo do verdadeiro evangelista é o mundo. Em suma o evangelista é aquele irmão que sai, assim como o grande mestre, de cidade em cidade, de aldeia em aldeia anunciando o evangelho. Os apóstolos e profetas puseram o fundamento, o evangelista vai à busca de pedras para construção do edifício espiritual (I Pe 2:5). Considerando que o mundo é o campo, O evangelista é aquele que sai desbravando o terreno e semeando a boa semente.


Pastor: no sistema religioso é feita a seguinte matemática: curso de teologia + credencial de pastor = a salários fixos todo mês e um povo para mandar e desmandar.  
Para ser um pastor no sistema tem que ser escolhido por uma convenção e ter o titulo de pastor explicitado em uma carteira. Não é isso que a bíblia diz. Pastor é don e não um titulo. Quem tem o don pastoral não precisa de titulo para atuar, o próprio Espírito Santo o impulsiona a exercer a função pastoral. Muito irmãos tem o don de pastor porem, nunca foram assim denominada por nenhum sistema humano.  Pra ser pastor não precisa ter curso, titulo ou carteirinha, mas o don e a função é desempenhada no caminhar. Não depende da vontade do homem, mas de Deus.
Na verdade ninguém é pastor, se tem o don de pastor. Pois o único pastor é Cristo (Jo 10:16). E não há algo que alguém possa ter ou fazer para recebê-lo de Cristo. É don uma dadiva e vem de graça, sem esforço humano, assim como a salvação. Ademais o don de pastor é universal a sua atuação é no corpo de Cristo e não em uma assembleia de irmãos. Da comunidade local cuidam os anciãos (presbíteros, bispos) que pode ou não ter o don pastoral. No caso dos anciãos não se trata de don, mas de oficio, e não parece no singular, mas sempre no plural. Então em uma cidade entre os irmãos daquela comunidade deveriam existir alguns presbíteros (bispos, anciãos) para cuidar no sentido de responsabilidade com o rebanho. É bom nos atemos que como presbítero é um oficio, (uma indicação) e não um don há na bíblia as prerrogativa para quem quer ser presbítero (ancião) fugir dos requisitos exigido nas escrituras é o mesmo que abandonar a doutrina dos apóstolos(Fl 4:9; I Co 14: 36-38; I tm 1:19).

Mestre: Acredito que ter o don de mestre é o mesmo que ter o don da palavra da sabedoria, não uma sabedoria adquirida no cursos ou semenário de teologia mas aquela sabedoria que vem do alto é uma capacitação Espiritual. Ele é o responsável pelo alimento mais solido para o rebanho. A ele Deus da a capacidade de ensinar, instruir os demais membros do corpo de cristo. É também um don universal (At 11:19-21). Repito, trata-se de um don e não é um titulo, ou prerrogativa humana pois mestre só temos um: O Cristo (Messias).
Pastor é um dom dado pelo próprio Senhor (Efésios 4.11). Nenhuma escola, homens, ou organização, pode fazer de alguém um pastor segundo a Bíblia. É um dom como é o evangelista e o mestre (ou doutor). Vemos a ordem dos dons claramente indicada em Atos 11 onde os evangelistas pregam o evangelho (vers.1920), pessoas crêem (vers. 21), recebem um irmão com o dom de pastor (vers. 2224) que os reúne como faz o pastor às ovelhas, cuidando delas e exortandoas a permanecerem unidas ao Pastor que é Cristo. Vem, então, a necessidade de alimento mais sólido para aquelas almas e Paulo (além do próprio Barnabé) vai exercer o dom de mestre ou doutor (vers. 2526) ensinandoos.
Concluiremos dizendo que o clero da cristandade não tem respaldo bíblico, e o que se ver por ai é fruto de uma confusão causada por aqueles que por ambição e ganancia não se submetem a palavra de Deus e assim cria ou copia de outros, e até do sistema mundano, seus próprios meios ou recursos. possivelmente, achando que o constituído por Jesus é muito simples e precisa ser mais bem organizado e por tanto modificado.
Ademais, o que motiva homem de Deus no desempenho do serviço cristão não é a conquista de status, reconhecimento, fama, riqueza, poder, regalias ou coisa do gênero, mas o fazer a vontade do Mestre ( o bom pastor). Ao lemos a historia dos apóstolos podemos constatar que o que eles tinham como ganho não era o lucro financeiro ou nome de destaque, mas, o sofrer por amor a Cristo e seu evangelho.

Graça e a paz a todos que com humildade, e sem fins fraudulentos, se doa para a causa do evangelho de Cristo, nosso Salvador. A ele seja dado a louvor, amém.


 Paulo Xavier

3 comentários:

  1. perfeito parabens isso mesmo Deus e contgo amem

    ResponderExcluir
  2. perfeito parabens isso mesmo Deus e contgo amem

    ResponderExcluir
  3. Sempre achei isso mesmo, mas infelizmente as pessoas almejam conquistar um título para aparecer antes do nome dela... Pastor Fulano

    ResponderExcluir